domingo, 29 de janeiro de 2012

Polícia tenta conter 'crimes de verão'

Verão é época de intensificação do movimento turístico no litoral potiguar. Inúmeras famílias se deslocam para casas de praia e pessoas de todo o país, e até mesmo do exterior, buscam aproveitar o período de férias no Rio Grande do Norte. Com a migração da população, a criminalidade também toma novas formas visando aproveitar as oportunidades criadas. No litoral, os bandidos atacam casas desprovidas de segurança e promovem arrastões. Na capital, invadem imóveis desertos em razão do período do ano. As autoridades de segurança pública classificam o fato como a "sazonalidade do crime" e realizam estudos estatísticos no sentido de antecipar e prevenir o cometimento de delitos.



Investigações de crimes já constataram as relações do período do ano com a quantidade e a especificidade dos delitos. O verão, ao propiciar lazer e interação social, pode levar a atitudes violentas relacionadas ao aumento no consumo de álcool. "A sazonalidade está ligada à Teoria Sociológica do Crime. A criminalidade é migratória e tem especificidades determinadas em diferentes períodos do ano". A explicação é do comandante-geral da Polícia Militar, coronel Francisco Canindé de Araújo Silva.

Visando combater o índice elevado de criminalidade, a PM já pôs em prática o reforço na segurança através da operação Verão. Atuando em vertentes como a realização de blitzen e a fiscalização da orla, a Corporação quer minimizar os efeitos da sazonalidade do crime. Para o coronel Araújo, o reforço no patrulhamento na Operação Verão tem surtido efeito. Ele alerta que a intensificação ocorre durante os finais de semana e nas praias de maior movimentação. "O nosso trabalho tem conseguido inibir atitudes delituosas. Isso principalmente nos crimes de trânsito. Muitas blitzen têm sido realizadas", declarou em entrevista no dia 14 de janeiro.



O coronel confirmou as dificuldades iniciais enfrentadas pela Operação Verão, mas esclareceu que o trabalho ocorre normalmente agora. "Realmente, com o atraso das diárias operacionais e a ausências das viaturas novas, começamos de maneira tímida. Mas agora, com o pagamento das diárias e as caminhonetes entregues, está tudo como o planejado", informou.

Com o início do mês de fevereiro, as preocupações se voltam para os festejos do Carnaval. As semanas que antecedem o feriado recebem preocupação especial por parte da Polícia Militar. "Sabemos que é um período em que assaltos ocorrem pois os criminosos buscam dinheiro para poder curtir a festa e custear as brincadeiras. Estamos atentos a isso", pontuou o coronel Araújo.

Segundo ele, já há um remanejamento de efetivo baseado em um "planejamento inteligente". Ainda durante 2011, a Secretaria de Estado da Segurança Pública e Defesa Social (Sesed), instaurou a subcoordenadoria de estatística e análise criminal. Através da interpretação semanal dos números, as autoridades de segurança perseguem a criminalidade e tentam antecipar o seu comportamento. "Percebemos a migração da chamada mancha criminal quando deslocamos o efetivo para determinada área. A interpretação semanal dos dados nos ajuda a compreender a realidade do crime na capital do Estado", afirmou o comandante-geral da PM.

Para a PM, outras datas do ano recebem a mesma atenção. Períodos como os festejos juninos, durante o mês de junho e julho, festas de final de ano e o Carnatal são oportunidades enxergadas por criminosos para cometer delitos e "lucrar" com a situação. Somente durante a edição 2011 do Carnatal, mais de 1.300 policiais militares/dia foram deslocados para a região da micareta no intuito de garantir a segurança de quem participava do evento.

Aumenta violência nas estradas

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) também está atenta às variações da quantidade de acidentes ao longo do ano e planeja operações para evitar colisões através da conscientização de motoristas. Em ação inédita, o governo federal lançou a Operação RodoVida. O objetivo é reduzir a gravidade dos acidentes de trânsito com ações integradas entre a Polícia Rodoviária Federal (PRF), policias estaduais e agências de trânsito. Diagnóstico realizado pela PRF mostra que 60 trechos de dez quilômetros de extensão respondem por 22% dos acidentes mais graves atendidos pela corporação. É nesses 600 quilômetros de rodovias que as ações coordenadas pela PRF acontecerão até o próximo dia 27 de fevereiro deste ano.

Uma característica comum a todos esses pontos levou à integração das ações: em todos existe a confluência de vias estaduais ou municipais para as rodovias federais. Assim, a ação simultânea nas rodovias e vias de acesso vai aumentar a segurança e propiciar a redução dos acidentes.

"O foco estará no combate à embriaguez ao volante e na fiscalização de motocicletas. O primeiro por ser uma das principais causas de acidentes graves e o segundo por ser um veículo que vem se destacando em relação ao número de acidentes nos últimos anos", disse o inspetor da PRF, Evaldo Morais.

A hora da morte em Natal: 20h30

A sazonalidade do crime também ocorre no comportamento criminal diário. 20h30. Esse é o horário em que os homicídios ocorrem em maior frequência em Natal. A média foi feita levando em consideração dados do primeiro semestre do ano passado e os dados são da Secretaria Estadual de Segurança Pública e da Defesa Social (Sesed). Dos 144 crimes desse tipo ocorridos na capital do Rio Grande do Norte até a data do levantamento, cerca de 10% foram cometidos entre 20h e 21h. Os dados são da Subcoordenadoria de Estatística e Análise Criminal e revelam qual momento o cidadão está mais vulnerável à violência.

Para o comandante da Polícia Militar do Estado, coronel Araújo, os números estão diretamente relacionados ao tráfico de drogas na capital. "A maioria dos homicídios ocorre em conseqüência de endividamentos com traficantes. O criminoso escolhe o período da noite para acertar as contas porque é mais difícil ele ser reconhecido por possíveis testemunhas. Quase sempre, a vítima é atingida após ação de uma dupla usando moto", afirmou.

Os números da Seac revelam ainda que foram nos fins de semana os dias mais violentos do primeiro semestre. 17,2% dos homicídios aconteceram aos sábados. Esse percentual chega a 19% aos domingos. Por outro lado, com apenas 8,2% dos registros, as quintas-feiras aparecerem como sendo os dias menos violentos.

Bate-papo: » Fábio Rogério Silva, delegado-geral da Polícia Civil

Como o senhor classifica a autuação da PC nesse verão?

A Polícia Civil é parte integrante da Operação Verão. Estamos com delegacias funcionando em praias do litoral Norte e do litoral Sul, através de plantões em finais semana e feriados.

Como se dá esse trabalho?

Os postos estão abertos em Pirangi, Pitangui e Muriú. Esse trabalho é importante para que a PM não tenha que se deslocar até a capital para registrar a ocorrência. Dessa forma, perde-se patrulhamento nas ruas. Além disso, estamos na rua com equipes especializadas de investigação de roubo de carros, investigação de crimes praticados por adolescentes infratores e da Delegacia do Turista.

Existem práticas de crimes que se intensificam durante o período?

Existem crimes mais comuns para essa época do ano. São casos de assaltos a residências, que estamos tentando diminuir. Investigações Civil já prendeu quadrilhas responsáveis por arrastões em praias do litoral potiguar. .

FONTE-TRIBUNA DO NORTE
Compartilhar:
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Redes Sociais

A melhor programação

Seguidores do Google

Arquivo